A roupa que te veste

Como falar de moda consciente e sustentável na escola, no mês da Fashion Revolution.

Todo mês de abril acontece o evento mundial chamado Fashion Revolution. Este ano as atividades estão agendadas para a semana de 18 a 24 de abril, dia do aniversário da tragédia de Rana Plaza, em Bangladesh, em 2013. O incêndio neste prédio, que matou mais de 1000 pessoas e feriu outras 2000, atingiu cinco fábricas de roupas que ofereciam péssimas condições de trabalho na produção de vestuário para marcas importantes da Europa e dos Estados Unidos. Foi esta tragédia que aliás inspirou a realização do evento, que atualmente acontece em mais de 100 países, incluindo o Brasil. Eu falo um pouco mais sobre isso neste artigo de alguns anos atrás: Quem fez a minha roupa?

No Brasil, o movimento também tem crescido. Confira a agenda da Fashion Revolution Brasil e como participar: AQUI. Muitas das atividades consistem em simplesmente ajudar na divulgação da ideia de uma moda consciente, em que se questione quem produz a roupa que você veste, em que condições e quais os efeitos dessa indústria no meio ambiente.

Todos esses temas podem e, na verdade, deveriam ser abordados na escola. Afinal é importante chamar a atenção de estudantes e docentes para um tema que nos afeta a todos diretamente.

Neste post, vou apresentar algumas sugestões de abordagens na esperança que sirvam de base para várias ações e suas subsequentes adaptações, dependendo da realidade de cada escola e da idade de cada grupo.

Aspectos históricos e sociais da vestimenta

Os professores de História têm várias possibilidades de abordagem: a questão delicada e importante durante o longo período escravocrata no Brasil é uma delas. Aos seres humanos escravizados, que trabalhavam fora do ambiente doméstico, negava-se o simples direito de vestir; a roupa oferecida era escassa e, detalhe , os escravizados em sua maioria não recebiam sapatos. A roupa no Brasil foi (e ainda é) sinal de status. E naquele momento era mais uma forma de humilhação, que dificultava a vida no dia a dia de gente que já sofria muito. Este tópico pode inclusive nos fazer pensar nos desdobramentos de ter a roupa como marca de distinção em nossa sociedade até os dias de hoje.

Um outro exemplo que vale estudo seria o vestuário das mulheres de classes abastadas em várias sociedades do mundo ocidental, sobretudo no século XIX. Com seus espartilhos excessivamente apertados e as chamadas crinolinas (as armações gigantescas usadas sob as saias), vestir-se era um processo complicado para as mulheres.

Nesse sentido, filmes de época e uma boa parceria com os professores de Português, que poderiam selecionar algumas obras para leitura como suplemento aos estudos em história, seriam bem interessantes. E para uma experiência multidisciplinar, as aulas de artes podem propor uma pesquisa sobre a evolução do design de moda e como corresponde e representa cada período da história humana. Uma bem planejada visita a um museu para completar a atividade não seria nada mau!

Os efeitos no planeta

Ainda na perspectiva multidisciplinar, as áreas de ciências podem propôr uma investigação sobre como a produção de tecidos e outros artigos relacionados à moda afetam negativamente o ambiente. A indústria da moda é responsável por 3% da emissão de CO2 do mundo ( sim, isso é bastante!), e alguns estudos apontam que pelo menos 80% do que se produz acaba em aterros sanitários, em rios, ou são incinerados, causando ainda mais poluição. Isso tudo enquanto em muitas partes do mundo há quem não tenha o suficiente para se vestir.

Um grande evento (e colaborativo!)

Todas as atividades em sala de aula podem estimular o envolvimento, especialmente de alunos adolescentes, em campanhas nas mídias sociais cobrando mais consciência e, por parte das empresas, mais transparência sobre seu processo produtivo. Isso significa nos assegurar que a produção não envolve trabalho análogo à escravidão ou em condições degradantes . Além disso, precisamos saber o tipo de material e tecido usado em cada roupa. Um bom começo é incentivar as pessoas a lerem as etiquetas de suas roupas.

Mas que tal fazer algo mais pragmático e não virtual? Uma ideia que, com tempo e organização adequada, pode ser um sucesso e quem sabe se tornar um evento anual, é a realização de um grande brechó com o apoio de toda a comundiade escolar. Dividida em várias fases e com grupos responsáveis por cada uma delas, o brechó seria útil não só para colocar em uso roupas em bom estado a preços módicos, como também como um recurso para arrecadação de dinheiro a ser usado em um projeto que beneficie a escola.

Foto: Ron Lach, Pexels

Alguns cuidados a serem observados, para que o brechó seja um sucesso:

  • – As roupas doadas ao brechó devem estar em bom estado e já limpas;
  • – Escale uma equipe para pensar na melhor forma de expor as peças, isso valoriza e embeleza o evento;
  • – Estabeleça preço úncio para peças parecidas. Isso facilita o trabalho das equipes de venda e de quem compra. Uma ideia é vender cupons antecipadamente com determinado valor que o visitante pode gastar no brechó.
  • – Lembre-se que o evento deve ter preços baixos para que as pessoas que precisam realmente possam comprar as peças;
  • – Não deixe a mensagem da moda consciente se diluir no brechó. Busque estratégias de conscientizar seu público da importância de reusar e reciclar.
  • – Crie um ambiente agradável para seu evento: música, uma área arejada da escola para permitir distanciamento social adequado e água potável disponível.
  • – Todo a roupa que não for vendida deve ser doada para uma organização da preferência de todos;

O trabalho colaborativo é esencial. Não torne o evento algo que termine sendo responsbilidade dos professores somente. Pode ser uma semente plantada por eles e coordenadores pedagógicos, mas cuidada pelos alunos. Monitorar é importante, mas o protagonismo deve ser dos estudantes.

Nunca se esqueça que cada etapa do programa deve ser de responsabilidade de um grupo e que todos devem estar na mesma sintonia. Professores de matemática podem também aproveitar a ocasião para trabalhar porcentagem, gráficos , custos em relação ao valor total arrecadado , estatísticas…Há muito aprendizado envolvido nesse trabalho em equipe, que vai além das disciplinas mencionadas aqui.

Já fez algo parecido? Tem outras ideias? Conte pra gente

Imagem em destaque: Cottonbro/Pexels

2 comentários em “A roupa que te veste

  1. Tania Josefa Gomes da Silva 15 de abril de 2022 — 08:30

    Selma, sempre inspiradora e educativa. Que privilégio ter você por perto. Obrigada🌹

    Curtir

    1. Que comentário mais simpático, Tania. Prezo muito seu constante apoio, obrigada!

      Curtir

Deixe uma resposta para Selma Vital Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close